A ideia inicial da CBF é retomar todos os torneios paralisados e só então começar o Brasileirão. Disto você já sabe desde a segunda-feira (16), dia seguinte ao anúncio de que os torneios nacionais seriam paralisados e na mesma data em que as federações do Rio e São Paulo paralisaram seus estaduais.

Rogério Caboclo, presidente ds CBF, na reunião do Conselho Técnico — Foto: Reprodução / CBF

Mas haverá duas questões: as datas e a política. Pelas datas, se o calendário recomeçar em maio ou em junho ou julho ou até em setembro, o único caminho sóbrio a seguir é fazer o Brasileirão e anular os estaduais deste ano. A decisão do Guarany de Sobral dispensar seus jogadores é apenas o primeiro sinal disso.

Se começar em agosto e terminar em fevereiro, sem inversão de calendário, é possível encontrar datas para fazer o Brasileirão corretamente e ainda colocar algumas quartas-feiras de estaduais de 2021 no início do ano que vem.

Mas deve haver um asterisco, como tantos nas listas de campeões do Brasil, e dizer que a temporada estadual de 2020 foi anulada devido ao coronavírus. Não houve campeão.

Nesse caso, a vida começa depois da crise. Com o mesmo dinheiro dos contratos de Brasileirão e com os mesmos elencos que terminaram antes da parada.

Deste ponto de vista, se houver liderança para convencer os presidentes de federações estaduais de que mais importante do que o voto é o futuro, o presidente da CBF, Rogério Caboclo terá liderança para recolocar o futebol brasileiro no prumo.

No fim da crise, a festa. As maiores torcidas do Brasil juntas pelo sonho de ganhar o troféu mais importante do país: o Brasileirão. Será necessário prorrogar a temporada, mas será possível fazer entre agosto e fevereiro um campeonato como se faz de maio a dezembro. Nos mesmos sete meses dos últimos dois anos, quando houve parada para Copa do Mundo e Copa América. Agora, a parada do coronavírus.

Só será preciso um requisito básico para fazer isso: liderança. Não será fácil convencer os presidentes de federações de que os estaduais deste ano devem ser anulados. Mas será necessário.

Vai ser mais fácil manter o campeão brasileiro de 2020 sem asterisco, do que será na Itália, na Inglaterra, na Alemanha, na França e na Espanha.

Fonte: Globo Esporte