dia_nacional_de_paralisacao_rumo-a-greve-geral_slide_siteTrabalhadoras e trabalhadores vão paralisar as atividades em todo o país, neste dia 22 de setembro, em resposta à pauta de retirada de direitos que o governo golpista Michel Temer tenta impor ao país.

O Dia Nacional de Paralisação e Mobilização, construído e organizado pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) e demais centrais sindicais, vai unir categorias de todos os setores, público e privado, contra os ataques à classe trabalhadora, à soberania nacional e ao patrimônio do povo brasileiro.

Em todo o país, haverá atos de rua para protestar contra as reformas da Previdência e Trabalhista, o desmonte do Sistema Único de Assistência Social, a privatização da saúde, da educação, venda das estatais, a ampliação da terceirização, prevalência do negociado em detrimento da legislação, que garante direitos trabalhistas, a PEC 241, o PLP 257, o sucateamento do serviço público, a política de Estado mínimo e de arrocho salarial e o desemprego que aumenta no país e outras medidas inseridas na pauta neoliberal derrotada pelos brasileiros nas eleições presidenciais de 2014, em que querem jogar todo o peso da crise do capitalismo nas costas de trabalhadoras e trabalhadores.

Ministros do governo golpista já defenderam jornada de 12 horas diárias, apoiam a terceirização sem limites, contratos de trabalho, por produtividade ou hora trabalhada. Até o momento, o governo não apresentou nenhuma agenda para proteção do emprego e combate aos alarmantes índices de desemprego no país. Ao contrário, as medidas anunciadas, até então, aprofundarão a crise que o país vive. Até mesmo direitos como férias e 13º salário estão ameaçados com a flexibilização proposta pelo governo.

Um pacote de maldades que só poderá ser jogado no lixo com a mobilização e a unidade da classe trabalhadora. Por isso, o Dia Nacional de Mobilização terá paralisações, passeatas e marchas em todos os Estados.

ARAÇAGI

Aqui em Araçagi, o Sindicato Unificado dos Servidores Públicos Municipais do Brejo da Paraíba (SINDSERVM) promoverá uma reunião as 8:30hs no prédio da Câmara municipal para discutir os retrocessos proposto pelo governo de Michel Temer. Na visão do Sindicato, vários direitos estão ameaçados.

Da redação com CNTE

CONHEÇA NOSSA EQUIPE DE COLABORADORES