Perto de completar 40 anos de sua fundação, estamos aqui para contar uma bela história de nossa cidade no âmbito radiofônico, onde surgia uma forma de entretenimento por meio de grandes megafones espalhados nos quatro cantos da cidade. Sempre inovadora, com grades musicais para todos os gostos, informativos policiais, notícias das imediações, como também, Brasil e mundo e uma equipe invejável de locutores: Dinho Leôncio (Valdecir Fotografias), Duca Macena, Zinho Tomé e Gilmar Pessoa, além de um potente equipamento de áudio que já na época, era destaque em cidades circunvizinhas.

           Imagens antigas dos equipamentos da difusora de Araçagi

A Difusora surgiu no início da década de 80 em meio a restrições no mundo radiofônico e visual, mas nunca perdeu sua essência, sempre tocando músicas destacadas à época, desde Roberto Carlos até música gospel. Sempre visou agradar todos os moradores da cidade, tanto que muitos ficavam sentados em suas portas ouvindo dedicações de amores secretos, músicas destaque de grandes novelas, como também, sucessos que embalavam nas discotecas.

E não parava por aí, a difusora fazia comerciais dos empreendimentos da época na cidade, com informações curtas e promoções do dia, utilidade pública, notas de falecimento, notícias de eventos da cidade, notícias jornalísticas, esportes e cobertura de eventos. Devido a qualidade potente de equalizadores, pick ups, transformadores, mesa de som e um cabeamento de longo alcance, chegando o seu raio de alcance ser ouvido na Tainha Velha, sítio Canafistinha, Canafistula e Cuité.

O sucesso desta radio difusora comunitária era tão grande, que rádios conhecidas da região passavam nesta difusora para buscar informações da cidade e propor parcerias, uma destas, levar um dos locutores para exercer a função na Rádio Cultura de Guarabira, que neste período estava em fase de testes ainda. Esse destaque, trazia pessoas e empreendimentos novos que apareciam na cidade, buscavam logo este meio de comunicação para divulgação. A preocupação do bem estar era tão grande, que os locutores faziam pesquisas de satisfação e volume de áudio para evitar a perturbação alheia.

A pioneira das informações de alto nível – Surge uma pequena gigante no meio dos conhecidos

Segundo relatos dos ex-locutores, a ideia do surgimento da difusora, veio através de uma conversa entre Dinho Leôncio (fundador) e Zinho Tomé (Colaborador-Radialista), onde viram um carrinho-comunicador na feira fazendo informações pontuais, fazendo despertar o interesse de criar uma rádio que buscasse interligar informações e música sem a necessidade de locomoção de uma grande estrutura de áudio e instalar autofalantes em torres instaladas em pontos estratégicos da cidade.

Foto atual da antiga difusora, com os locutores Gilmar Pessoa, Dinho Leôncio e Zinho Tomé.

Buscando inserir um ponto fixo para a instalação do aparato radiofônico, alugaram uma casa situada na Rua João Pessoa de Brito, no número 52, para dar início a este projeto. Fora comprados equipamentos de longo alcance e remodelada em formato de rádio, com isolamento de áudio e ruídos. Surgindo a necessidade de dar mais qualidade ao elenco, Dinho Leôncio e Zinho Tomé convocaram Duca Macena e Gilmar Pessoa para fazer parte da equipe e dar mais reforço no apoio total da difusora.

A programação dava início as 06 horas da manhã, com a famosa música “Oração pela Família – Padre Zezinho, na sequência, Dinho Leôncio seguia intercalando músicas e informações de utilidade pública, ao meio dia, Gilmar Pessoa assumia o Programa Resenha Esportiva, depois Duca Macena assumia o comando com o forró e finalmente, o programa Show de Sucessos com a famosa abertura da música “O Milionário – Os Incríveis, no comando de Zinho Tomé. Para encerrar as atividades do dia, mais uma vez, era tocada uma sequência de músicas religiosas, até atingir o horário final, que era as 18 horas.

A grade de programação seguia de segunda a sábado, com a exceção do domingo, que ficava ao comando de Zinho Tomé, com o Programa Roberto Carlos – Passado e Presente, e este programa dava início as 06 da manhã e perdurava até as 12 horas da tarde. No Domingo, a difusora operava em horário reduzido visando resguardar o sossego dos moradores, devido a ser um dia específico para descanso.

De acordo com os precursores, a Difusora perdurou até o início dos anos 90, onde encerrou suas atividades para dar vida a Rádio Comunitária de Araçagi, que modernizou todos os equipamentos e trocou os autofalantes por caixas de som em postes, em várias localidades de Araçagi.

 

Da Redação / Portal Araçagi