O Ministério da Saúde confirmou o primeiro caso de coronavírus no Brasil, na cidade de São Paulo, em 26 de fevereiro de 2020.

A notificação do caso suspeito veio do Hospital Israelita Albert Einstein, que atendeu um homem de 61 anos, residente na capital paulista, que viajou a trabalho para a região da Lombardia, no norte da Itália, sozinho, entre 9 a 21 de fevereiro. Ele apresentou febre, tosse seca, dor de garganta e coriza, sintomas compatíveis com a suspeita da doença.

O hospital informou que, no atendimento, adotou todas as medidas preventivas e realizou testes para vírus respiratórios comuns e o exame específico, conforme orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS). Para contraprova, a amostra foi enviada ao laboratório de referência nacional, Instituto Adolfo Lutz, que confirmou o primeiro caso no Brasil.

O paciente está em isolamento domiciliar e em estado de recuperação.

O que é o coronavírus

casal de médicos examinando vírus em um laboratório

Coronavírus é uma família de vírus que causa infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (SARS-CoV-2) foi descoberto em dezembro de 2019, após casos registrados na China. Alguns coronavírus podem causar doenças graves com impacto importante em termos de saúde pública, como a Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars) e a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (Mers).

Números do coronavírus

De acordo com a OMS, até 25 de fevereiro de 2020, foram confirmados 80.239 casos no mundo, em 34 países. Destes, 77.780 casos foram notificados pela China (incluindo suas regiões administrativas: Hong Kong, Macau e Taipei). Na China, a letalidade da doença é de 3% (2.700 óbitos).

Em outros 34 países, foram confirmados 2.459 casos, com ocorrência de 34 mortes. Destaca-se o aumento do número de casos no Japão, Coreia do Sul, Singapura, Tailândia e Vietnã.

De acordo com coletiva de imprensa realizada pelo Ministério da Saúde em 26 de fevereiro, o Brasil possui 20 casos suspeitos, além do caso confirmado (em São Paulo). Dos casos notificados, 59 já foram descartados.

Sintomas do coronavírus

Os sintomas mais comuns do coronavírus são febre, cansaço e tosse seca. Algumas pessoas podem ter dores, congestão nasal, corrimento nasal, dor de garganta ou diarreia. Esses sintomas, geralmente, são leves e começam de forma gradual.

Alguns pacientes infectados por coronavírus podem não apresentar sintomas. A maioria das pessoas (cerca de 80%) se recupera da doença sem tratamento especial. Aproximadamente 1 em cada 6 pessoas infectadas fica gravemente doente e desenvolve dificuldade para respirar.

senhor idoso se consultando com um médico

Idosos e pessoas com problemas cardíacos, pressão alta ou diabetes têm maior probabilidade de desenvolver doenças graves.

Devem procurar atendimento médico pessoas com febre, tosse e dificuldade em respirar.

A transmissão do coronavírus ocorre entre pessoas. A doença pode se espalhar por meio de pequenas gotículas do nariz ou da boca. Essas gotículas podem ficar depositadas em objetos e superfícies ao redor da pessoa infectada. Outras pessoas podem se infectar tocando esses objetos ou superfícies e, depois, tocando nos seus olhos, nariz e boca.

Cuidados para evitar o risco de infecção por coronavírus

Como se trata de uma infecção que afeta o sistema respiratório, alguns cuidados com as vias aéreas são necessários. Ainda não existem vacina ou medicamento para prevenção ou tratamento da infecção, mas testes e estudos já estão sendo realizados em busca da cura.

As precauções de contágio são importantes para evitar a propagação de doenças infecciosas de qualquer etiologia, inclusive a desse novo vírus.

alguém limpando as mãos com sabão em uma pia

Atente-se para os seguintes cuidados:

  • Evitar contato próximo com pessoas doentes e que tenham infecção respiratória aguda
  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabão, usar um antisséptico para as mãos à base de álcool em gel, principalmente, após contato direto com pessoas doentes e antes de se alimentar
  • Usar lenços descartáveis para higiene nasal (nada de lencinhos de pano!)
  • Cobrir nariz e boca sempre que for espirrar ou tossir com um lenço de papel e descartar no lixo
  • Higienizar as mãos sempre depois que tossir ou espirrar
  • Evitar tocar em olhos, nariz e boca com as mãos não higienizadas
  • Manter ambientes muito bem ventilados
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal como copos, garrafas e talheres
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência
  • Evitar contato com animais selvagens ou doentes

Esses são hábitos diários que podem ajudar a impedir a propagação de várias doenças, inclusive essa nova infecção por coronavírus.

unimed.coop.br