Alcorao na MaoEstamos aí, chegando as Olimpíadas com um Rio de Janeiro sem uma devida preparação técnico-especializada contra possíveis perigos de violência, incluindo também o terrorismo. E a questão é: “O Islamismo é um perigo real no Brasil?”

Bom, vou começar deixando claro que o Islamismo em si, não representa perigo algum ao Brasil nem ao mundo. Os muçulmanos extremamente fanáticos é que são sim um perigo real e imediato. A si mesmos e ao globo. Na verdade, qualquer religião ou fora delas, o fanatismo é extremamente nocivo.

Ora, se todo muçulmano fosse terrorista, o mundo já tinha acabado, já teríamos milhares de ataques ao longo do planeta. Na verdade, os terroristas são uma minoria barulhenta e violenta em relação a quantidade total de muçulmanos no mundo. Tipos uns 2 bilhões de muçulmanos por aí. Atrás apenas dos cristãos, que são perto de 3 bilhões.

O problema é que esse pessoal fanático e consideravelmente perigoso, que prega o extremismo, embora sejam “poucos” e incapazes de dominar o mundo, embora o queiram, conseguem fazer muito estrago.

Por mais que um país mais próximo ou mais visado por eles, se preparem, vão aprendendo infelizmente com os ataques, e tenham um grande sistema tecnológico de investigação e infiltração, é praticamente impossível saber quando será o próximo ataque. Raramente eles são impedidos de agir.

Embora que o Brasil não seja um alvo político em primeiro grau, mas, religioso, embora não dos mais visados devido a sua pouca influência político-econômica no Oriente, vários países estarão por aqui, e podem ser alvos também. Já tivemos graves ações terroristas em Olimpíadas, como na de Monique (Alemanha) no ano de 1972.

Imagine no Brasil? Que, embora haja cidades que invistam mais na questão da violência urbana hoje em dia, no geral, na verdade, muito mau dá conta de sua própria segurança diária. Imagine o quanto realmente não poderemos ser alvos fáceis desse povo que desvirtua o que sua religião realmente ensina e prega…

Eles possuem treinamento e armamento financiado com dinheiro de petróleo vendido a países secretamente podres, no mercado negro, vindo de regiões dominadas por esses radicais extremistas.

Nem sempre muçulmanos e cristãos viveram em guerra. Das vezes que viveram, era porque os cristãos precisaram se proteger e protegerem lugares cristãos de ataques muçulmanos ao longo da História como nas Cruzadas, nas quais os cristãos visavam proteger Jerusalém do plano de destruição da parte de certos árabes muçulmanos (os mouros).

Hoje em dia, os governos e as religiões tentam manter uma atitude de paz. Começando “de cima para baixo”. Cristãos e muçulmanos tentam ter momentos de oração juntos, se unem nas catástrofes e nas perseguições. É muito comum vermos muçulmanos ajudando cristãos e protegendo pessoas e igrejas de ataques de outros muçulmanos, que caíram no fanatismo religioso. E vice-versa, quando cristãos ajudam muçulmanos perseguidos por esses outros muçulmanos assassinos.

Sim, já há no Brasil seguidores de um islamismo fanático ao extremo.Jovens brancos, acima de qualquer suspeita, que se tornam totalmente dispostos a morrer pelo Islã ou de preferência matar por ele. São aliciados principalmente pela internet, tudo começando com um simples adicionar contatos ou “amigos” na sua rede social.

Não se trata aqui de não adicionar ninguém que seja natural ou descendente do Oriente Médio, ou mesmo seguidor do Islã, mas, sim de ficarmos atentos.Dos pais e responsáveis ficarem atentos, serem mais presentes. Porque nem todo quarto em silêncio está em paz, está tranquilo. Terríveis coisas, planos podem estar acontecendo dentro de nossas próprias casas, como nossos filhos, sem percebermos.

Então, não! O Islamismo não oferece perigo algum ao Brasil nem ao mundo. Mas, sim, o fanatismo religioso sim, oferece grande perigo!

Rezemos a Deus pela sua proteção!

admin-ajax

Professor com Graduação em Ciências da Computação