aerA Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira (21) uma operação contra o terrorismo a duas semanas da Olimpíada do Rio. Dez pessoas foram presas em 10 estados, sendo que uma das prisões ocorreu no município de Cabedelo, na Região Metropolitana de João Pessoa.

Não foram dados maiores detalhes sobre os motivos da prisão ou sobre o translado do suspeito para Brasília. No entanto, a PF informou que o preso é do sexo masculino. Ele foi preso na própria casa, onde morava com os pais.

As prisões, segundo o Ministério da Justiça, ocorreram no Amazonas, no Ceará, na Paraíba, em Goiás, no Mato Grosso, em Minas Gerais, no Rio de Janeiro, em São Paulo, no Paraná e no Rio Grande do Sul, informou a assessoria do Ministério da Justiça. O governo e PF não divulgaram os nomes dos suspeitos.

Batizada de “Hashtag”, a operação investiga a possível participação de brasileiros em uma organização criminosa de alcance internacional, como uma célula do Estado Islâmico no país. Conforme o Ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, o grupo era organizado de forma amadora e o chefe é de Curitiba.

De acordo com a Polícia Federal, o juiz Marcos Josegrei da Silva, da 14ª Vara da Justiça Federal do Paraná, expediu 12 mandados de prisão temporária por 30 dias, sendo que as detenções podem vir a ser prorrogadas por mais um mês.

Em entrevista coletiva concedida em Brasília no final da manhã desta quinta, o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, anunciou que a PF já havia cumprido 10 dos 12 mandados de prisão. Ele destacou que os 2 alvos que ainda não tinham sido presos estavam no “radar” dos policias e que, provavelmente, seriam presos em breve.

“Hoje, culminou na primeira operação onde uma suposta célula terrorista no Brasil foram presos 10 indivíduos. Isso é muito importante, que passaram a partir do nosso rastreamento de simples comentários sobre o Estado Islâmico”, relatou Alexandre de Moraes na entrevista concedida na sede do Ministério da Justiça.

“A partir do momento que passaram para atos preparatórios, a partir do momento que saíram simplesmente, daquilo que é quase uma apologia ao terrorismo, para atos preparatórios, foi feita prontamente a ação do governo federal, realizando, em 10 estados, 10 prisões desses supostos terroristas que se comunicavam via internet, via grupos, Whatsapp e Telegram, complementou o ministro.

Via – ManchetePB