A Polícia Militar retirou 38 armas de fogo de circulação durante as abordagens realizadas dentro da Operação Carnaval, que foram intensificadas das 18h da sexta-feira (24) até às 7h desta quarta (1º), em todo o Estado. Foram 20 revólveres, 16 espingardas e duas pistolas apreendidas.
As apreensões foram registradas nas cidades de João Pessoa, Lagoa Seca, Picuí, Santana dos Garrotes, Mari, Patos, Sousa, Lucena, Pombal, Boqueirão, Cabedelo, São Mamede, Monte Horebe, Aroeiras, Solânea, Princesa Isabel, Taperoá, Baía da Traição, Campina Grande, Pedras de Fogo, Catolé do Rocha, Santa Rita e Bayeux.
Em Lucena, onde a PM montou um esquema de segurança com mais de 100 policiais por dia, foi apreendido um revólver calibre 38 durante uma abordagem, na quadra que fica no centro da cidade, na madrugada do domingo (26). A arma estava na cintura de um homem de 20 anos, morador do bairro do José Pinheiro, em Campina Grande.
Na cidade de Baía Traição, foi apreendido um revólver calibre 32, na noite do domingo (26), na praça de eventos, durante abordagem a um adolescente de 14 anos. O jovem é da cidade de Sapé e estava passando o carnaval no Litoral Norte.
No total, 30 pessoas foram presas ou apreendidas por porte ilegal de arma, além de oito que foram flagradas com armas, mas praticando outros tipos de crimes, a exemplo de roubos e tráfico de drogas. Os suspeitos foram todos conduzidos até as delegacias de Polícia Civil.
Aumento – A Operação Carnaval 2017 quase dobrou o número de armas apreendidas no carnaval do ano passado, quando foram retiradas 20 unidades de circulação.
POLÍCIA AMBIENTAL
O Batalhão de Polícia Ambiental (BPAmb) divulgou o resultado das ações de combate à poluição sonora que foram realizadas durante o carnaval, da noite da sexta-feira (24) até a madrugada desta quarta-feira (1º), que contou com um efetivo de 134 policiais e a parceria com a Superintendência de Administração do Meio Ambiente (Sudema) nas atividades.
Foram apreendidos 10 ‘paredões’ de som (quatro em Baía da Traição, três em Lucena e três em Jacumã), o que resultou na prisão de 10 suspeitos por poluição sonora, cuja pena é de 1 a 4 anos de reclusão. Cada proprietário dos equipamentos foi multado em R$ 5 mil, resultando em R$ 50 mil em multas aplicadas pelo BPAmb no carnaval.
O comandante do Batalhão de Polícia Ambiental (BPAmb), major Cristóvão Lucas, disse que esse trabalho é fundamental para garantir a segurança no carnaval e que novas operações para combater esse tipo de crime (poluição sonora) serão realizadas no decorrer do ano. “Por causa de um som, que tem seus limites definidos em lei, pode resultar em uma tragédia, como um homicídio, por exemplo, por isso nosso empenho para aplicar a lei e evitar que casos como esses aconteçam”, destacou, ao adiantar que já tem um plano montado para desencadear novas ações nesse pós-carnaval.
Orientações – Antes de realizar as apreensões e aplicar as multas, o Batalhão de Polícia Ambiental realizou mais de 10 blitzen educativas com a distribuição de panfletos orientando os foliões para não cometerem excessos referentes ao uso do som. Os motoristas identificados como proprietários de equipamentos do tipo paredões foram alertados sobre a proibição e só depois dessas ações preventivas, que aconteceram no sábado (25), a atividade de repressão passou a ser usada.
Estatística – Durante todo o carnaval, a Polícia Militar recebeu 1.008 chamados para ocorrências de som alto, sendo 859 em João Pessoa e nos Litorais Norte e Sul, 133 em Campina Grande e região e o restante em outras partes do Estado. No carnaval do ano passado foram 1.036 chamados para ocorrências de som alto.
Fonte: pmpb.gov
CONHEÇA NOSSA EQUIPE DE COLABORADORES