Chegamos em 2021, com muito custo, muita dor e muitas surpresas. Não há legendas positivas para o ano anterior, tampouco adjetivos impactantes para denominar tudo o que estamos passando até os dias atuais, por isso, se existe uma palavra a se utilizar para este momento só é uma: intensidade. Diante dos fatos e atos impostos, surge uma dúvida… Como será o “Efeito Borboleta” que 2021 sofrerá?

O efeito borboleta são fatos que podem gerar consequências marcantes, tanto para nós mesmos, quanto para todas as pessoas e sistemas que nos rodeiam.

Diversos fatores assolaram lugares e pessoas, desde fatores climáticos, naturais e biológicos até os casos que o próprio homem causou para sua raça. Porém, nada foi mais forte do que a pandemia, e com ela, o sentimento de frustração pela imprevisibilidade da duração da pandemia e a enorme incerteza sobre o futuro, e sofrimento intenso pela crise econômica, desemprego, perda de entes queridos e amigos pela doença. Nesse contexto, distúrbios emocionais tais como ansiedade, pânico, depressão, insônia, irritação excessiva, surgiram ou foram superestimados.

O EFEITO BORBOLETA EMOCIONAL

Festas, multidões, eventos de grande porte, torcidas organizadas e outras aglomerações foram banidas, medidas de contenção adotadas, e diante de tudo isso, o distanciamento social decretado dificultou o contato de maneira próxima e frequente com as outras pessoas.  A frustração e o tédio pelo confinamento, pela interrupção da rotina, pela alteração das atividades habituais de trabalho, e da perda da liberdade de ir e vir são consequências imediatas e de estresse.

A grande exposição ao noticiário com seus dados chocantes aumentam o medo e a angústia. As redes sociais e a divulgação de Fake News alarmam ainda mais a população. O medo de ter ou contrair doenças graves, conhecido como ansiedade de saúde, leva a tipos distintos de comportamento. Um deles é a negativa dos serviços essenciais de saúde por considerar esses locais como fonte de contágio, muitas vezes interrompendo ou adiando tratamentos essenciais.

O outro é a procura exacerbada por atendimento médico. Sintomas respiratórios leves, que antes seriam atribuídos a um simples resfriado ou quadro alérgico, tais como espirros, coriza e tosse, passam a gerar sinais de alerta e medo da morte por COVID-19.

O EFEITO BORBOLETA EVOLUTIVO

Assim como o fim da 2° Guerra Mundial, podemos colocar esta pandemia como o final de um ciclo e início de um próximo ciclo, e nele, a tendência é de uma renovação da economia, costumes e agir das grandes potências e do próprio ser humano. Quando cito o termo “EVOLUTIVO”, refiro-me a uma ideia de cadeias produtivas de crescimento e positividade.

Contudo, ainda é válido citar que ainda não encerramos este ciclo negativo e que, arrisco em falar que ainda falta muito para iniciar o próximo. Economias quebradas, empresas em recall e em déficit, milhões de desempregados e muitos problemas operacionais, enfatizam minha tese, pois em um mundo paralisado, voltar ao modus operandi requer muito tempo e técnicas inovadoras para retornar ao status quo.

O EFEITO BORBOLETA DO MUNDO PÓS PANDEMIA

É bastante provável que a indagação “como será o mundo depois da pandemia” esteja encucando a mente de praticamente todas as pessoas, mas não em relação apenas às questões econômicas de cada país e sim sobre tudo; os relacionamentos, a saúde física, mental e outros. Diante das constantes reviravoltas da realidade, podemos escolher um dos três efeitos: o de enfatizar o novo, esquecendo a experiência histórica e o conhecimento que ele permitiu acrescentar, aderir ao velho ou buscar edificar pontes, ou seja, entender o que mudou mas também indicar como o novo se alimenta do passado.

A pandemia fará com que muitas pessoas revejam suas prioridades e nisso, perceberão o que é prioridade nas suas vidas. Será que o dinheiro é mais importante ou a sua saúde será prioridade? A família merece ser escanteada? Será que os relacionamentos são tão fortes e eternos quanto imaginam? Será que os negócios vão conseguir se reinventar para sobreviver no mercado?

São várias perguntas, mas de certeza, muitas coisas não serão como antes. E para você; qual o efeito borboleta de 2020 poderá te afetar em 2021?

Escritos de Jefferson Procópio – Político, Graduado em Direito com extensão em Ciência Política

 

Da Redação / Portal Araçagi