Morreu nesta segunda (11), em Curitiba, o general da reserva Carlos Roberto Pinto de Souza, responsável pela área dentro do Inep que coordena a elaboração do Enem. Ele tinha 59 anos. O primeiro dia de provas do exame ocorre no próximo domingo (17).

Carlos Roberto Pinto de Souza comandava a Diretoria de Avaliação da Educação Básica (Daeb) — Foto: Exército Brasileiro

Em comunicado à imprensa, o Inep afirmou que Pinto de Souza, dentro da Diretoria de Avaliação da Educação Básica (Daeb), participou ativamente da concepção do Enem Digital e do Novo Saeb, principal projeto a que se dedicava nos últimos meses. A assessoria do Inep disse que não informará a causa da morte em respeito à família.

A autarquia ligada ao Ministério da Educação (MEC) afirma que “agradece o trabalho desempenhado com dedicação, entusiasmo, responsabilidade e senso ético pelo diretor Carlos Roberto. Seu nome estará registrado na história do Inep”.

A TV Globo apurou que a causa da morte do general reformado foi em decorrência de complicações da Covid-19. Ele foi internado um pouco antes do último Natal.

Pinto de Souza tinha doutorado em Altos Estudos Militares e foi Comandante do Centro de Comunicação e Guerra Eletrônica do Exército Brasileiro.

Ele não tinha formação na área de avaliação escolar. Até assumir o cargo no Inep, trabalhava como assessor no Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

Além do Enem, coordenou as equipes envolvidas no Encceja (Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos), Celpe-Bras (Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros), Saeb (Sistema de Avaliação da Educação Básica), Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes), entre outros.

Suas experiências anteriores haviam sido como servidor público no campo da Defesa: foi instrutor no Exército, chefe do Centro de Defesa Cibernética e comandante do Centro de Comunicações e Guerra Eletrônica do Exército.

Justiça decidirá sobre Enem

Uma ação movida na Justiça por organizações estudantis e institutos da área de educação na última sexta (7) e uma carta de mais de 45 associações ligadas a ciência questionam a segurança sanitária para a realização do Enem 2020 em face da alta de casos de Covid no país.

A versão impressa do exame está marcada para este domingo (17) e para o seguinte (24).

O documento solicita o adiamento da prova. A Defensoria Pública da União fez o pedido junto com a União Nacional dos Estudantes (UNE), a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) e as entidades Campanha Nacional pelo Direito à Educação e Educafro.

Na mesma sexta, mais de 45 entidades científicas publicaram uma carta endereçada ao ministro da Educação, Milton Ribeiro, em que expressam preocupação pela realização do exame.

Encabeçam a manifestação a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), a Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (Anped) e a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco).

Segundo a carta, as medidas do Inep e do governo federal “não são suficientes para garantir a segurança da população brasileira, num momento de visível agravamento da pandemia no país”.

Fonte: G1