Mesmo com avanços, quase 40% não têm ensino médio completo com 19 anos

0

Apesar de avanços contínuos nos últimos anos, quase 40% dos jovens brasileiros com 19 anos de idade (cerca de 1,1 milhão de pessoas) não têm o ensino médio completo, mostram dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) compilados pelo movimento Todos Pela Educação.

O levantamento foi divulgado nesta terça-feira (18) como parte do monitoramento feito pela organização sobre a conclusão da educação básica na idade certa.

(Agência Brasil/VEJA/VEJA)

Segundo o estudo, 63,5% dos brasileiros que têm 19 anos hoje concluíram o ensino médio, e o índice vem aumentando ano a ano. Em 2012, por exemplo, esse percentual era de 51,7%. No ano passado, foi de 59,2%. No entanto, os dados também revelam o desafio de manter os jovens desta idade na escola. No grupo dos que não terminaram o ensino médio, 68% não estudam mais — mais de 700 mil pessoas. A maioria dos integrantes deste segundo grupo parou de estudar no ensino fundamental (55%).

O índice atual também está bem distante da meta estabelecida pelo Plano Nacional de Educação, de 2011. Uma das cinco metas parciais previstas no acordo estipula que, em 2022, 90% ou mais dos jovens de 19 anos tenham completado o ensino médio.

Desigualdade no atraso – A distância para o patamar ideal de educação pode ser maior dependendo da cor da pele do estudante, do tipo de área onde mora e do estado em que vive.

Se entre os brancos a taxa de conclusão do ensino médio na idade certa é de 73,6%, ela cai para 57,7% entre os pardos e vai a 53,8% entre os pretos. Os jovens de 19 anos que vivem em áreas urbanas (66,4%) também estão em situação melhor do que aqueles da mesma idade em áreas rurais (47,4%). Entre os estados, os piores patamares estão na Bahia (43,3%) e em Sergipe (46,2%). Na outra ponta, estão São Paulo (78,3%) e Distrito Federal (76,5%).

Apesar do longo caminho a percorrer evidenciado pelos dados, eles também mostram que todos os estados brasileiros evoluíram na conclusão do ensino médio na idade certa. O maior avanço ocorreu em Pernambuco: alta de 25,3 pontos percentuais em seis anos, com 67,6% dos jovens terminando a educação básica com 19 anos. O menor foi o do Espírito Santo, que chegou a 59,9% em 2018, avançando 2 pontos em relação a 2012.

Abandono e reprovação Segundo o Todos Pela Educação, um dos indicadores que explicam a dificuldade de terminar a educação básica na idade certa é a taxa de insucesso escolar, que une números de reprovação e abandono da escola.

A taxa de insucesso escolar dispara já no terceiro ano do ensino fundamental, o último do ciclo de alfabetização, quando chega a 10,5% — no segundo, o índice é de 2,8%. No 6º ano, vai a 15,5%. No 1º ano do ensino médio, atinge 23,6% — quase um em cada quatro jovens.

A situação é ruim, mas já foi pior. Segundo a série histórica divulgada pelo Todos pela Educação, em 2007, a taxa de insucesso escolar no 3º ano do ensino fundamental era de 16,7%; no 6º ano, 23,8%; e no 1º ano do ensino médio, chegava a 32,9%.

Fonte: UOL

Share.

Comments are closed.