fotoocupacaopbÓrgão é ligado ao extinto Ministério da Cultura (MinC). Sede do Iphan na Paraíba fica no Centro Histórico da capital.

Um grupo de pessoas ocupou a sede do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) na Paraíba, localizado no Centro Histórico de João Pessoa, nesta quinta-feira (19). O órgão é ligado ao extinto Ministério da Cultura (MinC).

A ocupação foi feita, inicialmente, por cerca de 50 pessoas, segundo a organização. Não há previsão de saída do movimento de dentro do órgão e os manifestantes devem se revezar na ocupação, inclusive convocando os frequentadores do Centro Histórico no fim de semana.

A ocupação, que começou por volta das 14h30, é realizada por artistas, produtores, agentes culturais, estudantes e grupos artísticos. “Ao entrarmos no IPHAN/MinC, nossa primeira ação foi dialogar diretamente com todos os funcionários da instituição, apresentando nossa pauta e convidando-os a também ocupar e se mobilizarem conosco. A ocupação seguirá de maneira horizontal, deliberando através de plenárias e se organizando em comissões”, diz uma nota do movimento publicado em uma rede social.

“Nós, artistas, trabalhadores e militantes da cultura de João Pessoa, ocupamos hoje a sede do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico da Paraíba – unindo-nos a outras 14 ocupações que acontecem nacionalmente em sedes de órgãos vinculados ao Ministério da Cultura – em resistência contra o governo ilegítimo de Michel Temer e todo o retrocesso que ele representa para a democracia, para o campo da cultura, para os direitos humanos, para as políticas para mulheres e juventude, da igualdade racial, da democratização das comunicações, para os direitos indígenas e quilombolas, para o combate à corrupção, e para diversos outras conquistas sociais”, diz a nota.

De acordo com o superintendente do Iphan na Paraíba, Cláudio Nogueira, está sendo mantido o diálogo com os manifestantes. Por causa da ocupação, o atendimento ao público está suspenso.

Na quarta-feira (18), manifestantes contrários à extinção do MinC ocupam prédios públicos ligados à pasta em ao menos 12 capitais, incluindo Brasília. Os grupos protestam principalmente contra a decisão do presidente em exercício, Michel Temer, de transferir as atribuições do MinC para a pasta da Educação, que passa a se chamar Ministério da Educação e Cultura (MEC).

Fonte: G1PB

CONHEÇA NOSSA EQUIPE DE COLABORADORES