20140814093256A conta de energia elétrica dos consumidores brasileiros vai ficar, em média, 23,4% mais cara a partir de segunda-feira (2), informou a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) nesta sexta-feira (27). Ao todo, 58 concessionárias de energia elétrica receberam aval da agência para reajustar as tarifas.

De acordo com a agência, a revisão extraordinária de tarifas foi necessária para custear o aumento no repasse da CDE (Conta de Desenvolvimento Energético), uma vez que o Tesouro não fará aportes na conta esse ano, e para fazer frente ao reajuste da energia de Itaipu.

A cota da CDE subiu de R$ 1,7 bilhão em 2014 para R$ 22,06 bilhões em 2015.

Outra razão para o aumento é o reajuste do preço da energia elétrica gerada na usina de Itaipu, no Paraná. De acordo com a agência, a energia da usina é comprada, especialmente, pelas distribuidoras que atuam nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Chega a representar cerca de 20% da compra de energia dessas concessionárias.

A energia vendida por Itaipu ficou 46% mais cara e o valor é cobrado em dólar, que sofre influência da variação cambial e gira em torno de R$ 2,90 nessa semana. A agência informou ainda que o principal motivo para a variação da tarifa de Itaipu foi a falta de chuvas em 2014.

Veja o tamanho do reajuste e o peso no seu bolso de acordo com a concessionária de energia:

CELPE – 2,2%

CELESC – 24,8%

COSERN – 2,8%

BANDEIRANTE – 24,9%

CEMAR – 3,0%

ENF – 26,0%

CEPISA – 3,2%

ESCELSA – 26,3%

CELPA – 3,6%

CEMAT – 26,8%

ENERGISA PB – 3,8%

ENERGISA MG – 26,9%

CELTINS – 4,5%

EFLUL – 27,0%

CEAL – 4,7%

ELETROCAR – 27,2%

COELBA – 5,4%

CELG – 27,5%

ENERGISA BO – 5,7%

DME-PC – 27,6%

SULGIPE – 7,5%

ENERSUL – 27,9%

ENERGISA SE – 8,0%

CEMIG – 28,8%

CPFL STA CRUZ – 9,2%

CPFL PIRATININGA – 29,2%

COELCE – 10,3%

EDEVP – 29,4%

MOCOCA – 16,2%

CPFL PAULISTA – 31,8%

CERON – 16,9%

HIDROPAN – 31,8%

CPEE – 19,1%

CFLO – 31,9%

JOAOCESA – 19,8%

ELETROPAULO – 31,9%

COOPERALIANÇA – 20,5%

FORCEL – 32,2%

ELETROACRE – 21,0%

CAIUA – 32,4%

SANTAMARIA – 21,0%

DEMEI – 33,7%

CHESP – 21,3%

MUXFELDT – 34,3%

CSPE – 21,3%

COCEL – 34,6%

CEEE – 21,9%

CNEE – 35,2%

LIGHT – 22,5%

RGE – 35,5%

CJE – 22,8%

COPEL – 36,4%

IENERGIA – 23,9%

UHENPAL – 36,8%

CEB – 24,1%

BRAGANTINA – 38,5%

ELEKTRO – 24,2%

AES SUL – 39,5%

Fonte: R7 com Portal Mídia