IMG-20150816-WA0032-640x360Apesar do PSB não ser aliado da presidente Dilma no âmbito nacional, o governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, do PSB, mantém o posicionamento de apoio ao governo da petista.

Com discursos embasados no respeito à democracia, o socialista aproveitou o dia de protestos anti-Dilma para lamentar, por exemplo, a insistência do PSDB, liderado no Senado Federal pelo senador paraibano Cássio Cunha Lima, em tentar tirar o mandato da presidente no “tapetão”, com ações de cassação na justiça eleitoral.

Conforme o governador, o PT foi eleito democraticamente nas eleições de 2014 e deve governar até 2018, e, caso a população não aprove, nas próximas eleições haverá outra oportunidade para novamente competir, apresentando outros programas de governo e pleitear o voto popular.

“Eu apoio a preservação das regras democráticas, eu apoio que aqueles que por ventura tenham vencido a eleição governem. A presidente Dilma venceu as eleições, precisa governar, e o que o senador Cássio está fazendo é um desserviço ao Brasil, ele não tem nem noção das coisas que ele anda pregando, ele quer subverter a ordem não do ponto de vista da melhoria ou da evolução, mas sim em cima de um discurso vazio, falso moralista, onde não se sustenta uma vírgula do que ele diz, e acha que vai de uma tribuna derrubar um governo que foi eleito”, criticou.

CRÍTICAS

Assim como os partidos, Ricardo Coutinho disse que também tem críticas ao governo da presidente Dilma, mas, por uma questão de responsabilidade e de governabilidade, não irá jogar o jogo do “quanto pior melhor”.

“As pessoas têm todo o direito de criticar o governo, eu mesmo tenho criticas importantes ao governo, aliás, tenho criticas até em relação ao meu governo aqui na Paraíba, imagina sobre o de Dilma, inclusive já compartilhei isso com ela. Mas a responsabilidade que eu tenho não me permite simplesmente jogar no quanto pior melhor para acenar para a galera, pra arrancar aplauso onde por ventura tenha aplauso. As pessoas que têm responsabilidade com esse país, que ocupam cargos, têm que ter noção da gravidade do momento, é preciso fazer com que o país faça essa transição, com uma nova conservação democrática para esse país, numa nova conjunção de forças, precisa ter a recuperação de avanços”, disse.

AVANÇOS

Apesar da crise atual, o governador da Paraíba fez questão de destacar os avanços conquistados pelo Governo do PT, com Dilma e com Lula, como, por exemplo, a diminuição da fome.

“O Brasil avançou na sua democracia com inclusão social, isso ninguém tira de Lula, não adianta campanha cerrada, se articular vários setores para desmontar isso, todo mundo sabe onde querem chegar com essa política do quanto pior melhor, querem tirar um legado que foi conquistado, a pauta da fome não está em cima da mesa, para quem não passa fome isso é ignorado, mas essa diminuição da fome foi uma conquista indiscutível de Lula e Dilma” ressaltou.

No tocante a Paraíba, Ricardo Coutinho lembrou do apoio do governo federal na construção de mais de 800Km de adutoras, fato que em 30 anos dos governos passados não foi feito e, com a ajuda do governo federal, saiu do papel.

“Eu não posso negar que a Paraíba está fazendo 800 km de adutoras, se somar as adutoras de 30 anos atrás não dá isso, e posso dizer quer 60% disso é com governo Dilma, eu não tenho como negar isso, eu não sou esse tipo de gente, que fica afagando até chegar o momento de dar o bote, eu já fui golpeado, mas eu não golpeio, e Deus me ajuda a segurar as forças para dar a resposta no momento adequado”, ressaltou.

GOLPE

Para Coutinho, o país não vai avançar com um golpe, com uma mudança de governo há sete meses do início de um novo mandato e quem pensa assim nada mais é que um irresponsável.

“Eu quero que o país supere tudo isso, mas não jogando no quanto pior melhor, arrumando uma força de dar um golpe, isso não vai dá certo, o Brasil tem seguimentos organizados, se esta ruim espera a eleição e se muda, mas não se pode, nesse momento, querer mudar o governo, já se perdeu quase 8 meses, olhando uma parte do Congresso querendo ver que o país entre em crise, essas pessoas que pensam dessa forma são irresponsáveis”, detonou.

Márcia Dias

PB Agora