Concentração de professores em frente a igreja matriz da cidade. Imagem: Facebook.
Concentração de professores em frente a igreja matriz da cidade. Imagem: Facebook
Em mais uma Assembleia realizada pelo Sindicato Unificados dos Servidores Municipais (SINDSERVM) e a categoria do magistério municipal de Araçagi, foi decidido pelo não início do ano letivo da rede pública, até que o governo municipal conceda o reajuste do piso salarial que é de 11,36%, determinado pelo governo Federal.
A decisão foi tomada na manhã desta sexta-feira (04), na sede do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Araçagi, quando aconteceu mais uma assembleia e teve a participação de dezenas de professores. De acordo com a presidente do Sindservm, Ida Maria de Jesus, a decisão de não iniciar o ano letivo parte do não reajuste do piso salarial, o qual deve ser reajustado no valor de R$ 2.135,64 centavos.
Professores reunidos em assembleia. Imagem: Facebook
Professores reunidos em assembleia. Imagem: Facebook
Segundo Ida, a proposta oferecida pelo prefeito foi indecente, primeiro foi oferecido 5%, depois 6 e por fim 8. “Didi ficou três anos sem cumprir o piso, cozinhando os professores”, disse a presidente em entrevista a emissora local.
A categoria volta a ser reunir na próxima segunda-feira (07), onde está programada uma caminhada que sairá de frente a igreja matriz.
Ministério Público acionado
Foi protocolado nesta sexta-feira (04), junto ao Ministério Público da comarca de Araçagi, um documento para que sejam tomadas as devidas providencias com relação a essa problemática. Está sendo denunciado o descaso do poder publico para com os professores, o alunado e a população de Araçagi de um modo geral.
Pais preocupado
Muitos pais que matricularam os seus filhos nas escolas da rede municipal estão preocupados. O motivo é que as aulas deveriam ter iniciado no último dia 22 de fevereiro e até agora com esse impasse não teve início. Muitos até já pensam em colocar os seus filhos para estudar na rede estadual.
Fonte: Portaltainha.net