marcelocirino-flamengo-marcioalves-gloRubro-Negro faz 2 a 0 no Maracanã e constrói placar suficiente para assumir ponta da tabela em noite de homenagem a Léo Moura.

A combinação Flamengo e Maracanã dessa vez não foi sinônimo de goleada, mas voltou a dar resultados. Após atropelar Barra Mansa (4 a 0) e Cabofriense (5 a 1) nos jogos que fez no estádio nesta temporada, o Rubro-Negro desta vez fez só 2 a 0 sobre o Boavista na noite desta quarta-feira. Gols de Everton e Marcelo Cirino, destaque do duelo e agora vice-artilheiro do torneio com quatro bolas na rede, um atrás de Fred, do Fluminense. O placar modesto, no entanto, foi o suficiente para levar o time invicto de Vanderlei Luxemburgo pela primeira vez no ano à liderança do Campeonato Carioca, graças aos critérios de desempate: com os mesmos 13 pontos do Botafogo, mas com um gol a mais marcado que o rival (14 a 13). Já o Boavista, dos ex-flamenguistas Erick Flores e Marcelo Carné, termina a rodada na lanterna, com apenas um ponto em cinco partidas.

A noite também foi de homenagem a Léo Moura, lateral que pode estar de saída depois de 10 anos no clube. O lateral, que negocia com o Fort Lauderdale Strikers, dos Estados Unidos, clube do qual Ronaldo Fenômeno é um dos parceiros, entrou no segundo tempo, recebeu a faixa de capitão de Wallace e foi ovacionado pelos 20.628 pagantes (24.219 presentes) ao Maracanã. A renda foi de R$ 658.570,00.

O Fla volta a campo agora para defender a liderança do estadual no domingo, contra o Madureira, às 16h (de Brasília), no Raulino de Oliveira, em Volta Redonda. No mesmo dia, só que às 17h, o lanterna Boavista tentará sair da zona de rebaixamento diante do Macaé no Moacyrzão.

Artilheiro e garçom, Cirino carrega o Fla à liderança

De direita, de cabeça e até de bicicleta. De volta ao time após tratar dores no joelho direito, Nixon foi a peça mais participativa de um sonolento Flamengo no primeiro tempo. O atacante teve a melhor chance de abrir o placar ao receber cruzamento na medida de Pará quase na pequena área, mas errou a cabeçada. Fora isso, a defesa de um fechado Boavista surtiu efeito ao conter as investidas rubro-negras, mas teve um preço. A dupla de zaga Cristiano e Bruno Costa – capitão do time e que completou 100 jogos pelo clube – terminou os primeiros 45 minutos com um cartão amarelo para cada.

Mesmo com apoios constantes e simultâneos de Thallyson e Pará pelas laterais, Everton e Marcelo Cirino pouco conseguiram usar suas velocidades. E furar a retranca pelo meio estava ainda mais complicado. Mesmo assim, Luxa manteve a formação para a etapa final, na esperança que o time se encaixasse como aconteceu na goleada sobre a Cabofriense, quando marcou quatro gols no segundo tempo. Não foi em quantidade, mas deu certo novamente. Após receber passe de Nixon em um raro contra-ataque, Cirino ganhou na corrida entre os zagueiros e bateu no cantinho de Carné para fazer 1 a 0, aos 11 minutos.

As entradas de Gabriel e Eduardo da Silva nas vagas de Nixon e Arthur Maia, respectivamente, deram esperança aos rubro-negros de assistirem a mais uma goleada no Maracanã. Só que a rede balançou apenas mais uma vez. De Everton, em chute certeiro no ângulo após belo passe de Cirino na área. Belo gol, aos 27. Até daria tempo de mais, porém a emoção terminou com a homenagem a Léo Moura. O lateral, que pode estar de saída depois de 10 anos no clube, entrou no lugar de Thallyson, recebeu a faixa de capitão e foi ovacionado pela torcida.

Fonte: Diário de Araruna