14592036280003622710000O senador Cássio Cunha Lima (PSDB) declarou nesta quarta-feira (21) que acredita que o presidente Michel Temer (PMDB) não conseguirá concluir o mandato, que vai até 1º de janeiro de 2019. O tucano, que faz parte da base de sustentação do governo Temer, lembrou que sempre defendeu a realização de novas eleições.

“Ele [Michel Temer] vai enfrentar dificuldades [de concluir o mandato]. Eu acho que é importante registrar que eu sempre fui adepto da tese de novas eleições. Eu sempre achei que a nova eleição seria o melhor remédio para distender o país e encontrar legitimidade no que diz respeito à composição de um novo governo”, disse.

Desde o início do mandato da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), o senador paraibano levanta a bandeira que a chapa dela com Temer estaria sujeita à cassação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por suposto abuso de poder político e econômico. Ele lamentou que o TSE ainda não tenha julgado a ação, que tem o PSDB como autor.

“Para que houvesse novas eleições, teria sido necessário que o TSE julgasse as ações que lá tramitam. Infelizmente o TSE não concluiu o julgamento a tempo, o impeachment andou mais rápido e havia também razões objetivas para realização do impeachment, uma vez que presidente Dilma (Rousseff) inegavelmente cometeu os crimes que lhe eram imputados. E veio o impeachmet com o afastamento da presidente da República. Uma nova eleição seria a melhor saída, não tenho a menor dúvida”, declarou.

Caso Temer deixe o cargo em 2017 ou 2018, deverá ser realização, segundo a Constituição, eleição indireta no Congresso Nacional para a escolha de seu substituto. Cássio ainda defendeu que a realização de eleições diretas.

O senador também surpreendeu ao apontar o nome da presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, como melhor nome para presidir o país.

“É uma mulher cuja honestidade e probidade ninguém discute, que tem experiência, tem capacidade e que poderia cumprir um período de transição. Eu acho que, quando você olha dentro dos nomes da política partidária, da chamada política tradicional, talvez você tenha alguma dificuldade (em pensar em um nome). É preciso pensar um pouco mais largo e o Brasil já deu demonstração de disposição de dar oportunidade para as pessoas que também não estão na militância política mais tradicional”, afirmou.