Um cabo do Exército Brasileiro, que atua na força-tarefa das Forças Armadas no Espírito Santo, foi atropelado por um motociclista em fuga, na tarde desta quinta-feira (9), próximo ao Terminal de São Torquato, em Vila Velha.

O Espírito Santo está sem a Polícia Militar nas ruas desde sábado (4), porque protestos de familiares dos policiais bloqueiam as saídas dos batalhões. Por causa da paralisação da PM, o Governo do Estado solicitou e obteve do Governo Federal auxílio, com o envio de tropas das Forças Armadas e Força Nacional para garantia da lei e da ordem.

Segundo o porta-voz da força-tarefa no Estado, coronel Alves da Costa, o piloto da moto seria revistado por militares, mas fugiu da abordagem e atropelou o cabo.

O militar teve ferimentos leves nas regiões da perna e cabeça e recebe atendimento médico em um hospital de Vila Velha. O motociclista ainda não foi encontrado.

Sem PMs – Familiares de PMs estão bloqueando a porta dos batalhões para impedir a saída dos militares. Desde então, uma onda de assaltos, furtos e homicídios tomou conta das cidades capixabas. O Espírito Santo já registrou mais de 100 mortes violentas desde que a manifestação começou, segundo o Sindicato dos Policiais Civis.

Manifestantes cobram reajuste salarial e melhores condições de trabalho para os PMs.

O Governo do Estado chamou o movimento de ‘chantagem’ e afirma que só vai negociar quando os militares voltarem ao serviço.

O governador em exercício, César Colnago, pediu apoio do Ministério da Defesa. Segundo o ministro da Defesa, Raul Jungmann, mil militares das Forças Armadas e mais 200 da Força Nacional de Segurança Pública atuam no Estado.

Batizada de “Operação Capixaba”, a atuação terá duração de 10 dias, com mais intensidade na Região Metropolitana de Vitória, segundo o Ministério da Defesa.

Entenda a crise na segurança no ES

– Os PMs reivindicam aumento nos salários, pagamento de benefícios e adicionais e criticam as más condições de trabalho.

– Como os PMs não podem fazer greve, as famílias foram para a frente dos batalhões para impedir a saída das viaturas policiais.

– O bloqueio começou no sábado (4) e atinge a Grande Vitória e cidades como Linhares, Aracruz, Colatina, Cachoeiro de Itapemirim e Piúma.

– Desde então, o Espírito Santo registrou 101 mortes violentas, segundo o sindicato da Polícia Civil.

– Escolas, postos de saúde e parte do comércio estão fechados desde segunda-feira (6), quando ônibus também pararam de circular.

– 1.200 homens das Forças Armadas e Força Nacional fazem policiamento na Grande Vitória desde segunda; mais tropas devem chegar ao estado nesta quinta-feira.

Via – G1