neymar-da-selecao-brasileira-olimpica-durante-partida-contra-a-selecao-olimpica-da-colombia-valida-pelas-quartas-de-final-do-futebol-masculino-no-estadio-arena-corinthians-1471142880689_300x200Neymar assumiu o papel de protagonista na noite deste sábado (13), em Itaquera, nas quartas de finais dos Jogos Olímpicos. Autor do único gol da vitória da seleção brasileira diante da Colômbia, o atacante não se intimidou com as pancadas e até teve seu momento de retribuir algumas das entradas que levou em um polêmico lance que acabou com um cartão amarelo de punição. 

Na ocasião, o camisa 10 ficou revoltado com a falta de fair play dos colombianos e não pensou duas vezes em fazer dura falta por trás em Roa. Foi esse o lance de estopim para um princípio de confusão que teve troca de empurrões até entre membros da comissão técnica de ambas as equipes. Vale destacar que ele não carrega a advertência, portanto não estará pendurado na disputa da semifinal, contra Honduras.

Sob os olhares de Tite, que esteve na Arena Corinthians para acompanhar ao jogo, o atacante do Barcelona não mostrou nenhum sinal de dor no tornozelo direito. A lesão no último jogo da fase de grupos, diante da Dinamarca, ameaçou a participação do craque. 

Depois de causar a confusão, Neymar passou a pedir mais a bola e sofreu perseguição implacável dos colombianos, especialmente de Teo Gutierrez. Experiente, o atacante usou e abusou da catimba, tentou chamar a atenção do atleta com provocações verbais e até mesmo chutando a bola no brasileiro em mais uma das faltas que deixou o camisa 10 no chão. 

Neymar ainda sofreu outras faltas duras e fez os colombianos tomarem outros dois cartões amarelos. Preciado e Barrios foram os advertidos por infração. Pabón abusou na força para empurrar o brasileiro, mas não foi punido com o cartão. 

O gol de falta marcado por ele no início do segundo tempo ainda findou um jejum de 11 meses. A última vez que o atacante do Barcelona balançou as redes com a camisa da seleção havia sido em setembro, em gol no amistoso contra os Estados Unidos, na vitória por 4 a 1. 
 

Via – UOL