O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) apresentou, nesta quinta-feira 19, um pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro. É o terceiro pedido de impedimento em três dias. Nesta mesma semana, um deputado distrital da Rede Sustentabilidade e parlamentares do PSOL fizeram o mesmo.

Frota acusa Bolsonaro de ter cometido crime de responsabilidade, crime contra a administração pública, crime contra a segurança nacional, crime por descumprimento do decoro do cargo e crime contra a saúde pública. No texto, ele cita as agressões verbais do presidente à repórter do jornal Folha de S. Paulo, Patrícia Campos Mello, o apoio dado às manifestações contra o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF) e o desrespeito às recomendações do Ministério da Saúde contra a disseminação do coronavírus.

“Jamais teria a vontade de o autor assinar o presente pedido, mas a Constituição Brasileira deve ser defendida a qualquer custo por membros da casa Legislativa e por qualquer um do povo que compõe esta gloriosa nação chamada Brasil”, escreve o ex-aliado de Bolsonaro. “É notória que o processo de impeachment de presidentes da República, nos últimos anos, mostrou-se traumático e custosa a toda a sociedade, mas imperativo o início deste novo processo por absoluta defesa dos poderes constituídos e da democracia.”

Além da derrubada de Bolsonaro, Frota pede que ele fique inelegível por oito anos. O documento tem 28 páginas. Nas redes sociais, o tucano publicou um vídeo em que acusa Bolsonaro de “mentiroso”. Na legenda, ele escreve: “Fiz a merda de colocá-lo no poder e vou fazer de tudo para tirá-lo”.

Na terça-feira 17 e quarta-feira 18, Bolsonaro também foi alvo de panelaços em diferentes cidades do país. Brasileiros pediram impeachment e se queixaram de má conduta do presidente durante a pandemia.

Cartacapital