O governador Ricardo Coutinho defendeu, após reunião com o ex-ministro Joaquim Barbosa na sede do PSB, em Brasília, um acordo entre os partidos por uma “ampla frente democrática”. Ricardo não descarta a possibilidade do próprio Joaquim ser a pessoa que unificaria as legendas em torno dessa ideia. De acordo com a Agência Estado, segundo Ricardo Coutinho, os democratas deveriam “construir um programa mínimo e efetivamente se juntar para disputar a eleição”.

“Não é uma frente de esquerda, e sim democrática. Mas uma frente depende de outros atores. Se outros atores não querem discutir em pé de igualdade, o PSB se sente no direito de ofertar uma candidatura própria”, explicou.

Ricardo defendeu a discussão mas criticou hegemonia ou exclusivismo nesse processo. Questionado se ele se referia ao PT, ele respondeu que se referia a todos os partidos.

O governador da Paraíba destacou que, além da candidatura em si, é preciso que haja no partido uma consciência sobre a importância da frente democrática, porém o governador destacou que este é um posicionamento pessoal seu. 

Ricardo disse à imprensa nacional que o que aconteceu hoje foi uma conversa inicial com Joaquim Barbosa, portanto não tem “nada em definitivo” sobre sua possível candidatura à presidência da República. 

“Nem o próprio ministro se disse disposto a fazer uma caminhada pelo Brasil defendendo a sua postulação”, revelou. 

O governador paraibano também comentou sobre o papel do ex-presidente Lula na eleição, especialmente no Nordeste. Para Ricardo, Lula possui “um papel muito importante”, 

“Lula possui um papel muito importante como um grande líder, isso ninguém tira, mas a sociedade também não é toda unificada em torno do Lula”, afirmou, descartando, por outro lado, qualquer possibilidade do PSB apoiar a candidatura do tucano Geraldo Alckmin.

Fonte: ClickPB com imagem do ResumoPB

CONHEÇA NOSSA EQUIPE DE COLABORADORES