zikaA Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concedeu registro para um teste rápido de detecção do vírus zika. Segundo o fabricante, a empresa canadense Biocan Diagnostrics Inc, o resultado pode ser conhecido entre 15 e 20 minutos depois da aplicação do teste. É o quarto produto a obter registro da Anvisa para detectar a presença do vírus. A medida foi publicada na edição desta segunda-feira do Diário Oficial da União.
O teste não detecta o vírus diretamente, mas os anticorpos IgC e IgM em amostras de sangue. Esses anticorpos permitem saber se a pessoa foi infectada, mesmo após o vírus já ter sido eliminado do corpo. Dos outros três testes para zika que já tinham obtido registro, dois também permitiam identificar se a pessoa contraiu zika após a eliminação do vírus.
Segundo informado pela Anvisa, “o produto fabricado pela empresa canadense Biocan Diagnostics INC. utiliza como suporte uma membrana de nitrocelulose em que os anticorpos são capturados e revelados por meio de uma reação que promove a formação de uma banda em cor vermelha para cada um dos anticorpos presente”.
Atualmente, o diagnóstico de zika é feito pelo PCR, teste que identifica o código genético do vírus. O exame, entretanto, só é capaz de apontar a infecção durante o período de manifestação dos sintomas, o que dura entre 2 e 7 dias.
Segundo laboratórios ligados ao Ministério a Saúde, o vírus está associado ao crescimento do número de casos de microcefalia, que atinge principalmente o Nordeste. A microcefalia é uma malformação em que os bebês nascem com a cabeça menor do que o normal e, em geral, leva ao retardo mental.
O Globo