Professores da UEPB aprovam greve por tempo indeterminado Junção de diversos fatores negativos para a categoria motivaram a greve, diz presidente da ADUEPB. Os professores da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) aprovaram a realização de uma greve durante assembleia realizada na manhã desta quinta-feira (6), em Campina Grande.

A paralisação dos trabalhos começa no dia 12 de abril, e segue por tempo indeterminado. Durante a assembleia, foram 50 votos a favor da greve, 26 contra, além de quatro abstenções. Segundo Nelson Junior, presidente da Associação dos Docentes da Universidade Estadual da Paraíba (Aduepb), a junção de diversos fatores negativos para a categoria motivaram o início da greve. “A categoria sofreu retaliações, além dos cortes orçamentários, fechamento de campis, falta de concursos, além de problemas nos salários”, resume Nelson. “São três anos sem aumento salarial”, completa. Ainda conforme Nelson, as aulas seguem normalmente até o próxima dia 12 de abril. “Até lá vamos nos organizando. E esperando diálogo com nossa categoria”, adianta. O docente ainda disse que espera uma resposta do governador Ricardo Coutinho.

A UEPB deve se posicionar sobre a greve até o final da tarde desta quinta-­feira (6), conforme informações da assessoria da instituição. “Estamos aguardando resposta do parecer da administração central [reitoria]e nos posicionaremos em breve”, informa a assessoria à reportagem do JORNAL DA PARAÍBA. Anteriormente Durante uma audiência pública na Câmara Municipal de Campina Grande, na quarta­-feira (5), o reitor da instituição Rangel Júnior falou dos cortes orçamentários e esclareceu as dificuldade em administrar a instituição sem ter acesso ao repasse financeiro por parte do governo estadual (http://www.jornaldaparaiba.com.br/noticia/183114_reitor­da­uepb­recua­e­diz­que­vai­garantir­ingresso­de­novos­alunosem­maio). “A UEPB é uma máquina enxuta e os números estão disponíveis no Portal da Transparência.

A nossa única reivindicação é que a Lei Orçamentária Anual 2017 seja respeitada e haja a reposição financeira para termos os recursos dos custeios a partir desse repasse. A UEPB não é do governo, é da Paraíba e do povo”, manifestou. Na ocasião, Rangel também recuou da decisão de apresentar ao Conselho Universitário a proposta de adiamento do ingresso dos novos alunos na instituição de maio (período 2017.1) para o segundo semestre. Foram aprovados pelo Sisu 3.318 alunos.

O Sisu é o sistema informatizado do Ministério da Educação por meio do qual instituições públicas de ensino superior oferecem vagas a candidatos participantes do Enem. Com isso, está garantida a entrada dos estudantes no próximo mês na UEPB. Uma portaria publicada no dia 16 de março pelo reitor, estabeleceu uma série de medidas para contensão de gastos na instituição, como forma de lidar com o orçamento reduzido. (http://www.jornaldaparaiba.com.br/vida_urbana/noticia/182358_uepb­vai­demitir­25­porcento­dos­contratados­­ extinguir­cargos­e­fundir­pro­reitorias)

Entre as medidas, estão a demissão de até 25% dos contratados, extinção de cargos comissionados e fusão de pró­-reitorias.

Fonte: Jornal da Paraíba