Bélgica leva susto, mas despacha Japão no último lance e será a adversária do Brasil nas quartas

0

Copa do Mundo não tem jogo fácil. E ainda mais se for no mata-mata. O confronto entre Bélgica e Japão mostrou bastante disso – melhor para os europeus, que se classificaram com uma virada épica nos acréscimos. Os japoneses Haraguchi e Inui fizeram a equipe sonhar ao abrir dois a zero no segundo tempo, mas a “excelente geração belga”, mesmo sofrendo, conseguiu a virada no final com gols de Vertonghen, Fellaini e Chadli. O gol da vitória saiu no último lance, quando o confronto dava pinta de que iria para a prorrogação. O time de Hazard e De Bruyne agora enfrenta o Brasil nas quartas de final na próxima sexta, às 15h (de Brasília).

ORGANIZAÇÃO JAPONESA
Os cinco gols da partida saíram no segundo tempo. Na primeira etapa, o jogo foi morno, sem grandes movimentações pelos dois lados. O Japão, com pouco talento mas muita organização, estudou os pontos fracos do adversário e soube neutralizar o excelente ataque formado por Hazard, Lukaku, Mertens e De Bruyne. E foram ousados na volta do intervalo…

‘SOPA DE HASHI’
A Bélgica, de salto alto, achou que poderia ganhar a qualquer hora. E poderia mesmo. Mas se desconcentrou na partida e, relaxada, deu brechas ao rival. O Japão viu espaço entre os defensores e após grande passe de Kagawa, o meia Haraguchi abriu o placar em chute cruzado. Menos de cinco minutos depois, Inui cortou para o meio e acertou um chutaço, sem chances para Courtois. Parecia ter virado festa para os japoneses, que trocavam passes e começavam a controlar o jogo. Teve até caneta no zagueiro Vertonghen, que foi tomar ‘sopa de garfo’, ou melhor, ‘de hashi’. Até que…


FALTOU MALÍCIA, SOBROU TALENTO
A Bélgica precisava de, no mínimo, dois gols. E se o Japão fosse mais esperto, segurava o resultado. Mas, por falta de experiência e malícia, deixou o adversário crescer na base do chuveirinho. O técnico Roberto Martínez pôs o grandalhão Fellaini e conseguiu o empate em duas bolas cruzadas na área, contando com a baixa estatura dos japoneses. O empate veio e os belgas voltaram a tomar conta da partida.

NO APAGAR DAS LUZES
​O jogo estava empatado até o último lance da partida, nos acréscimos, quando o Japão poderia ter esperado a prorrogação. Com a faca e o queijo na mão, resolveu bater o escanteio direto na área contra uma defesa bem mais alta. Courtois defendeu, saiu jogando com De Bruyne e o contra-ataque era fulminante: o meia levou três, achou Meunier na direita que cruzou para Lukaku. O camisa 9 fez o corta-luz e Chadli garantiu a virada. Agora, é jogo valendo: sexta-feira tem Brasil pela frente!

LanceNet

Share.